Apresentação

O Serviço de Urologia do Hospital Mãe de Deus realiza o diagnóstico e tratamento de patologias ligadas ao trato urinário de homens e mulheres. Trata desde problemas mais simples, como infecções urinárias, até tratamentos cirúrgicos complexos de neoplasias malignas do trato urinário masculino e feminino, bem como dos órgãos genitais masculinos.

A urologia é uma especialidade clínica e cirúrgica que atua sobre a próstata, rins, ureteres, bexiga, uretra, bem como diagnostica e trata as demais doenças do sistema urinário de homens e mulheres e do sistema reprodutor masculino.

Diferenciais

  • Equipe médica composta por urologistas experientes, contando com doutores, mestres e membros das mais diversas sociedades da urologia mundial.
  • Equipe com grande experiência em cirurgia videolaparoscópica, com a realização de cirurgias urológicas complexas.
  • Atua em conjunto com o Hospital do Câncer Mãe de Deus, realizando os mais diversos tipos de cirurgias oncológicas em urologia.
  • Primeiro hospital no RS a utilizar o aparelho de alta precisão e minimamente invasivo, Green Light Laser, para cirurgia de próstata, com centenas de cirurgias desse tipo tendo sido realizadas ao longo dos últimos anos.
  • Equipe especializada e com ampla experiência no tratamento cirúrgico e endourológico da litíase urinária, contando com equipamentos modernos como o Holmium Laser, ureteroscopia flexível e equipamento de litotripsia extra-corpórea, tendo realizado milhares de cirurgias nessa área.
  • Unidade de diagnóstico e tratamento de disfunções miccionais, tais como a incontinência urinária feminina e masculina, entre outras, contando com moderna aparelhagem de avaliação urodinâmica.
  • Equipe de plantão e sobreaviso 24 horas, 7 dias por semana.
  • Atua de forma complementar ao Serviço de Pronto-Atendimento e Emergência.
  • Colabora também com o Centro de Tratamento Intensivo e Unidades de Internação.

Equipe

Coordenador Médico

  • Dr. Luiz Carlos de Toledo

Equipe Médica

  • Dr. Luiz Carlos de Toledo
  • Dr. Alessandro Rossol
  • Dr. Álvaro Villanustre Gougeon
  • Dr. Breno Knijnik Tessler
  • Dr. Cláudio Pires Bolassél
  • Dr. Eduardo Ferla Campos
  • Dr. Gustavo Pereira de Sá
  • Dr. Herbert Sauer
  • Dr. João Pedro Bueno Telles
  • Dr. José Alfredo Marques
  • Dr. Karlo Dornelles Biolo
  • Dr. Laerte Armando Pohl
  • Dr. Marco Aurelio Rozado Basso
  • Dr. Marcos Vinícius Tefilli
  • Dr. Mariano Barcelos Filho
  • Dr. Tales Luiz Reale

Tratamentos

  • Cálculos urinários
  • Câncer de próstata
  • Câncer de rim
  • Câncer de bexiga
  • Câncer de testículo
  • Cânceres do aparelho urinário e genital masculino
  • Deficiências hormonais masculinas.
  • Distúrbios miccionais
  • Doença de Peyronie
  • Doenças sexualmente transmitidas
  • Fimose
  • Hiperplasia benigna da próstata
  • Infecções urinárias
  • Sangue na urina e no esperma

Perguntas Frequentes

Não. Além de cuidar dos órgãos genitais masculino, ele cuida também do aparelho urinário tanto de homens quanto de mulheres.

De acordo com estimativas atuais, cerca de 5% da população brasileira sofre de perda de urina. No entanto, acredita-se que o total de pessoas afetadas seja ainda maior do que o mostrado pelas pesquisas, pois muitos portadores deste problema acabam não informando os profissionais de saúde. São milhões de pessoas, no Brasil e no mundo, atingidas por um problema que, em geral, interfere significativamente na qualidade de vida.

Circuncisão é a retirada do prepúcio (pele) que recobre a glande (cabeça do pênis).
É a cirurgia mais frequentemente realizada no sexo masculino.

A função sexual e reprodutiva pode ser mantida em condições normais por apenas um dos testículos. Normalmente, o testículo remanescente pode suprir a produção hormonal e preservar a ereção e a fertilidade. No entanto é necessário observar a causa da perda desse testículo.

O crescimento benigno da próstata, chamado de Hiperplasia Benigna da Próstata é uma patologia bastante comum, sendo que aproximadamente 50% dos homens com mais de 60 anos são acometidos por algum tipo de sintoma urinário resultante desse crescimento.
O tratamento inicial, na maior parte dos casos, se faz com utilização de medicamentos.
Porém, algo ao redor de 30 a 40% dos pacientes tratados com medicamentos não vai responder bem a esse tipo tratamento.
Nesses casos opta-se pelo tratamento cirúrgico que é eficaz em 90 a 95% dos casos.
O tipo de tratamento cirúrgico, podendo variar desde a cirurgia aberta até procedimentos minimamente invasivos como o Green Light Laser, vai depender de vários fatores, tais como o tamanho da próstata, a existência ou não de patologias associadas, bem como da experiência do cirurgião e a disponibilidade das diversas formas de tecnologia existentes no centro onde será realizado o procedimento.

Cistos renais são bastante comuns, principalmente após os 50 anos de idade, quando acometem até uma em cada 3 pessoas, sendo que quanto maior a idade, maior a ocorrência desse achado.
Raramente causam sintomas, mas podem, em casos específicos e principalmente se seu crescimento for exagerado, causar compressão de órgãos vizinhos ou mesmo do rim, necessitando de tratamento adequado.
Cistos renais em pessoas mais jovens, especialmente se múltiplos, podem representar patologias específicas, tais como os rins policísticos.
Alguns tumores renais malignos também podem se apresentar sob a forma cística, requerendo tratamento cirúrgico especializado.

Realmente, a deficiência de testosterona, que é o hormônio masculino, é uma das causas de perda de libido, do desinteresse sexual.
Aos 50 anos, aproximadamente um em cada 5 homens apresenta algum dos sintomas relacionados com a deficiência de testosterona, podendo ocorrer mesmo em indivíduos mais jovens.
Outros sintomas, tais como a perda de massa muscular, o aumento de gordura corporal, irritabilidade, dificuldade de concentração e distúrbios do sono também podem estar associados a baixos níveis hormonais.
Após uma consulta médica especializada e a realização de exames laboratoriais específicos, a reposição hormonal de testosterona pode se fazer necessária.

Existem vários tipos de cirurgia prostática, desde as cirurgias mais simples, para o tratamento dos sintomas decorrentes do crescimento benigno de próstata, da Hiperplasia Benigna Prostática, até cirurgias mais complexas como a Prostatectomia Radical, para o tratamento curativo do câncer de próstata.
A ocorrência de disfunção erétil, a chamada impotência, é extremamente rara após uma cirurgia para tratamento de Hiperplasia Benigna.
Mesmo paciente que são submetidos à Prostatectomia Radical podem, dependendo de vários fatores, permanecerem com uma vida sexual ativa e plena.
Tais fatores são, entre outros, o tamanho e extensão do tumor, a idade e existência ou não de patologias associadas, bem como da experiência do cirurgião que irá realizar o procedimento.

É importante ressaltar que existem 2 patologias distintas na próstata.
Uma é a hiperplasia benigna da próstata, que é o crescimento benigno e que só deve ser tratado quando causa sintomas.
Outra é o câncer de próstata, que pode ser totalmente assintomático em seus estágios iniciais, quando é passível de cura.
Uma próstata não vai crescer até se tornar um câncer.
Existem vezes em que encontramos próstatas com mais de 10 vezes o tamanho de uma próstata normal e que são totalmente benignas. Em contrapartida, existem tumores malignos em próstatas de tamanho absolutamente normal.
Somente um profissional especializado poderá reconhecer essas diferenças e realizar o tratamento adequado para cada tipo de patologia.

Sistema de saúde Mãe de Deus

Porto Alegre

Outras Cidades